O pai, a filha e o fígado com lentilha

A mãe saiu domingo bem cedo e recomendou:
— Faz um arroz com lentilha pra menina. E não esqueça de comprar frango no supermercado. Vida dura essa de enfermeira. Um dia volto a ser uma pessoa normal.
O pai deu mamadeira pra menina, esperou ela fazer cocô – ficava aterrorizado com a possibilidade de ter que trocar a fralda bem no meio do supermercado. Onde deixar as compras? E se só tivesse mães no fraldário? E se a menina saísse correndo sem colocar a fralda, como faz em casa? E se sujasse a roupa?
Às 08:40, nenê trocada e com fita no cabelo, foram ao supermercado.
Primeira vez que ela ia no carrinho de brinquedo, com volante e portinha.
Sentiu-se a rainha do biscoito de polvilho, e fez questão de anunciar a realeza com gritinhos de alegria chamando a atenção dos passantes.
Após cinco minutos de passeio, já não quis ficar sentada. Meio miss (aqueles olhos verdes!), meio rainha da Inglaterra de fralda em carreata, ficou de pé e acenava para o que queria.
Hora de comprar carne. O pai pede um quilo de músculo, a menina reclama da súbita parada – parou por quê?.
“Corta o músculo aí que eu já volto!”.
O pai dá mais uma voltinha para distrair a menina, vai buscar o músculo, pega um frango e resolve comprar um vinho para si.
Já de volta em casa, faz o arroz com lentilha, acrescenta um fígado de frango. Faz o dobro de comida para não ter que voltar ao fogão na hora da janta. Afinal, é domingo.
E ainda falta decidir o que vai fazer de almoço para si mesmo.
Hora de comer. A rainha, impaciente como todas, reclama. Mal quer esperar a comida esfriar.
A menina no cadeirão, o pai na mesa. Comida cheirosa. Vai dando as colheradas para a menina, e de vez em quando rouba um pedacinho de fígado. Era um fígado grande mesmo, já tem bastante amassado no prato para ela.
Resolve abrir o vinho, e vai bebericando enquanto dá as colheradas para a filha. Que vinho gostoso. Super harmonizado com o fígado. Dá uma olhada para o prato, outra para a panela. Será que ela vai comer tudo? Apenas duas colheradas da panela não vão fazer falta para o jantar.
Ficou uma delícia, mas falta um pouco de mais de azeite e um pouco de pimenta-do-reino moída na hora.
Pega mais duas colheres da panela, acrescenta o azeite e a pimenta. Continua revezando entre o vinho, as colheradinhas para a menina, e as colheradas para si.
Termina a panela ao mesmo tempo em que a menina termina o prato.
Vai ter que voltar para o fogão na hora do jantar.

7 comentários sobre “O pai, a filha e o fígado com lentilha

  1. ai que delícia, que narrativa agradável…me transportei para a cena e até fiquei com vontade de comer fígado! Ah, por favor, mande fotos dessa gatinha linda!
    bjo
    Vanessa

  2. Estou gostando dos seus textos! Devia dar a receita desse prato, quem sabe eu me anime a comer fígado!

    Cheguei aqui pelo blog da Miki!)

  3. Oi, cheguei aqui pelo blog da Miki. Sei que este post é antigo mas não me controlei ao ler uma história familiar tão deliciosa que tive que comentar. Adorei.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s